jump to navigation

Como ocorrem as sessões de Umbanda? 29/10/2011

Posted by Frater A'.' H'.' RAK in Religiões, Umbanda.
Tags: , , , ,
trackback

Em outro ambiente digital, do qual falarei oportunamente, fui questionado exatamente sobre isto, o funcionamento ou roteiro de uma sessão de Umbanda, pelo que procurei esclarecer a não uniformidade dos ritos, mas a existência de uma certa “sequência” a ser utilizada. Compartilho aqui também, um ambiente mais aberto para quem possa interessar..

Como ocorrem as sessões de Umbanda?

Caro amigo,

Os procedimentos mudam de casa em casa. Como a Umbanda não possuí um comando central no plano físico, ao exemplo da Igreja Católica Apostólica Romana, cada centro é livre para organizar suas atividades.

Alguns centros preferem não trabalhar com as legiões de Exu, ou pelo menos não trabalham com eles nas sessões abertas de atendimento. Este grupo em geral é conhecido, mesmo que não corretamente como “Umbanda Branca”. Indiferente de certos ou não, existem! Os outros centros, que são a maioria, trabalham com todas as legiões e vibrações de espíritos que se apresentem, são conhecidos como “Umbanda Cruzada”; nestes locais as entidades de “grupos menores” ou menos conhecidas adequam suas energias e passam a trabalhar em um grupo de vibração mais próxima. Isto pode ficar claro ao verificar um “Boiadeiro” trabalhando em uma sessão de Oxóssi. Quando a casa não esta preparada para ter um momento específico para os boiadeiros eles são forçados a trabalharem em outro grupo ja constituido na cultura do centro. Ainda neste exemplo vais ver muitos centros que não sabem ou não estão preparados, ou ainda preferem não trabalhar com entidades ciganas e suas formas; e portanto os ciganos trabalharão provavelmente nas sessões de exu.

Você perceberá que alguns detalhes deveriam ser os mesmos em todas as casas, como a presença de um altar ou no vocabulário cultural da Umbanda um “Congá”, que é o centro de força principal do terreiro. Ali estarão representadas as forças e vibrações que trabalham no local, poderão ter inumeros itens, desde imagens e pontos riscados, à velas, perfumes, flores, objetos de toda natureza. Os centros possuem um local próximo onde ficam os “ogãs” ou simplesmente cantores. O grupo responsável por conduzir os cânticos ou “pontos cantados”, que são as músicas utilizadas para ordenar as vibrações. Todo centro possuí uma disposição onde se pode observar os trabalhos de qualquer lugar do terreiro, e no geral tem um espaço reservado aos visitantes denominado de assistência.

O rito, ou a condução dos trabalhos mudam conforme cada casa, mas no geral seguem uma mínima sequência lógica:

A preparação do altar e dos centros de força, em geral com pontos riscados com pemba e velas. são focos de energia que serão importantes durante os trabalhos.

Os pontos cantados iniciais, que saudam as grandes forças da criação, muitas vezes começam por um ponto de Oxalá.

As orações de abertura, o Pai Nosso e a Ave Maria, mesmo de origem católica são largamente usados.

Os pontos “das cabeças da casa” são os pontos cantados que evocam e invocam os mentores dos chefes espirituais da casa, pedindo permissão para o início das atividades. Seguem as vibrações de todas as entidades auxiliares do centro.

Os pontos de defesa e proteção, pedindo defesas ao grupo como um todo; muito usados os pontos de Santo Antônio.

A descarga. Tanto com pontos cantados próprios quanto com a defumação, as vezes com pontos de fogo (pólvora) e outras formas de dissolver os miasmas e criações do baixo astral que acompanham os presentes.

A abertura propriamente das atividades do dia vem em seguida com os momentos relacionados as entidades de culto/trabalho do dia. São conduzidos os pontos de vibração, que servem para a aproximação fluídica dos médiuns, ato realizado por suas entidades, criando-se um momento de conexão. Muitas vezes o chefe da casa (entidade) ja incorporou e prefere conduzir pessoalmente deste momento em diante. E os pontos de “incorporação” momento onde as entidades tomam o controle do aparelho físico de seus médiuns.

No geral existe um período onde estas entidades ficarão vibrando suas atividades pessoais, as responsabilidades de suas legiões e falanges, descarregarão mais um pouco seus aparelhos mediunicos e firmarão suas energias. Cada vez menos se percebe, mas nas casas mais tradicionais cada entidade ao incorporar vai imediatamente saudar as energias do altar central, depois à porta e toda a criação que esta depois do centro, bem como os guardiões “da rua”; vão saudar o chefe da casa, e então se direcionam a um local no terreiro onde vão atender as pessoas. Elas ali gravam seu ponto riscado em uma tábua, firmam uma ponteira de aço e uma vela (ai quase sempre branca) e um copo com água, pura, com sal ou com mel, conforme os trabalhos e a entidade. Se perceber, o que a entidade fez foi criar seu próprio centro de força além do da casa.

Na imensa maioria das vezes é neste momento que os atendimentos são feitos. As pessoas da assistencia são convidadas a ingressarem na área de trabalhos da “corrente'” e a escolherem alguma das entidades para sua conversa. Nesta consulta a entidade também começa por conduzir uma limpeza aurica no consulente, de diversas formas, e posteriormente em questionar-lhe os motivos da consulta.

Muito mais se poderia dizer, mas tudo muda MUITO de centro para centro. Mas, no geral é isto. Depois de todos atendidos, os ritos de limpeza final com o intuito de destruir as cargas que foram retiradas das pessoas atendidas e que permanecem no local. O momento de afastamento das vibrações e desincorporação, a liberação dos médiuns e os ritos de encerramento, de forma tradicional são feitos novamente em grupo e com um culto rápido de agradecimento das forças superiores, uma saudação mútua entre todos e o altar principal e os pontos de encerramento no astral das atividades. isto constituí um encerramento energético da sessão e libera as vibrações utilizadas.

Uma ótima caminhada!

Fé.’.

Anúncios

Comentários»

1. Moacir dos Santos - 21/06/2012

Gostei sim, foi muito ilustrativo para se entender um pouco do ritual.

Frater A'.' H'.' RAK - 08/07/2012

Obrigado pelo comentário… Bom saber que pude ajudar um pouquinho… Espero publicar mais.. Abraços…

2. gislene - 25/05/2015

Qualquer uma pessoa pode pode participar destes cultos sem ser convidada

Frater A'.' H'.' RAK - 26/05/2015

Sim, a Umbanda é um culto de Caridades irrestrita; a casa que negar auxílio poderá estar praticando alguma forma de trabalho espiritual, mas não poderá se nomear uma casa de Umbanda. A Umbanda possui poucas regras gerais, as casa são bastante livres, mas a Umbanda desde seu início foi firmada sobre a premissa de ser: “Manifestação do Espírito para prática da Caridade”, então, os trabalhos são abertos para a comunidade e sem qualquer tipo de cobrança.

3. yolanda cajueiro - 17/02/2016

Muito bom esse esclarecimento, sou umbandista amei tudo.Deus no comando de tudo.Saravá s umbanda sagrada.


Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: