jump to navigation

Damon & Pythias 05/04/2013

Posted by Frater A'.' H'.' RAK in DeMolay.
Tags: , , , , , ,
trackback
Damon & Pythias
.
Bem, estou republicando este post que estava no meu antigo blog. Percebi que ainda restam alguns textos de razoável interesse que não deixei público aqui no Caixa de Pandora. Fiz apenas umas correções ortográficas. Boa leitura:
.
“Bom, eu to postando sobre duas criaturinhas conhecidas de poucos. A ordem DeMolay possui em um de seus rituais uma breve citação a estes dois amigos famosos: DAMON & PYTHIAS.
A história deles foi contada de geração em geração por pessoas adeptas a altos estudos e por algumas famílias que conservam pequenas tradições internas. Os filósofos Aristodemus e Cícero registraram em seus escritos a história magnifica destes dois amigos. Alguns outros por volta do século 4 também o fizeram, embora sempre sem receber grande relevância.
.
Damon e Pythias eram seguidores dos ensinamentos de Pitágoras. E como quase todos os discípulos deste grande pensador, espalharam-se sobre a terra difundindo seus conhecimentos e aprendendo cada vez mais sobre as sociedades humanas. Desta forme eles chegaram a cidade de Siracusa, reinado de DIONíSIO I, um tirano que governava assombrado pelo medo de perder seu trono. Não demorou muito para que o governante interpretasse como ameaça as “novas idéias” difundidas pelos jovens. Aproveitando-se de seu poder Dionísio mandou prender Pythias por conspiração contra o Rei; sem dar-lhe um julgamento condenou sumariamente Pythias a pena de Morte.
Ao contrário do que muitos fariam, Damon e Pythias não reagiram de forma violenta. Pythias simplesmente aceitou sua pena, em parte para não permitir que algum outro mal atingisse seu amigo Damon e menos ainda a população refém do tirano. Pythias pediu apenas para ter o direito de visitar sua família, pois em suas terras possuia alguns negócios que pretendia resolver e principalmente para visitar sua esposa que estava grávida. Óbviamente Dionísio tomou o pedido como um insulto a sua inteligência e o recusou. Neste momento é que tomado pela profunda amizade Damon surge diante do tirano para propor uma troca. Damon sugere cumprir a pena de morte caso seu amigo Pythias não retornasse. Com certa relutância o rei Dionísio aceita mas mantém Damon preso como garantia.
Pythias parte então para visitar sua família enquanto Damon é posto como o culpado. Pythias recebera um pequeno prazo, algo próximo de um dia e uma noite. (ou 4 dias, em outras versões).
Pythias realiza a viagem e faz sua visita, começa sua jornada de volta afim de retomar seu lugar. Mas a embarcação em que estava é atacada por piratas e destruida. Pythias mesmo diante destas circuntâncias nada até a praia e inicia uma enorme corrida até o palácio de Siracusa.
Durante todo este tempo o rei permanece impaciente e duvidoso do retorno de Pythias, pois não acreditava que um homem retornaria para a morte certa. Quando sua mente começa a pregar culpa por todo lado e temendo demonstrar fraquesa diante do povo que a tudo acompanhava, Dionísio manda preparar Damon para a execução. Quando os carrascos estão prontos para aplicar a pena Pythias atinge os portões do palácio e corre para a sala do trono.
Pythias, adentra o recinto e de imediato começa a desculpar-se com seu amigo por sua demora e conta a todos o ataque à sua embarcação e a forma como empreendeu sua viagem de volta, enfrentando o mar e as longas trilhas. Pythias conta como corria amargurado com seus sentimentos temendo tardar em sua chegada, pensando no pior para seu amigo Damon.
O rei Dionísio I ao ouvir tudo percebe que condena-los seria a pior decisão a tomar, primeiro por ser uma atitude injusta para com os dois jovens que demonstraram a mais sincera amizade e confiança, e que diante do povo não poderia permanecer com fama negativa, pois isso ameaçava seu poder absoluto. Dionísio I então admirado com tudo ordena a libertação de Damon e libera Pythias de sua condenação anterior.
Algumas tradições contam ainda que Dionísio os convidou para permanecer como juízes em sua corte, estabelecendo com isto uma nova era de justiça no reino de Siracusa.
Independente da veracidade de cada detalhe, sabemos que as figuras históricas de Damon e Pythias existiram. Deixam-nos um legado de profundo exemplo em como os seres humanos podem e devem conservar a verdadeira amizade. A Ordem DeMolay utiliza esta pequena pérola da história para lembrar o valor do companheirismo.
Esta semana eu publiquei uma cerimônia alusiva a Damon e Pythias, para uso dos organismos da Ordem DeMolay. Espero sinceramente que ela sirva de instrumento nos valorosos trabalhos de nossa ordem.”
.
A cerimônia que cito no texto é simples, mas creio de grande beleza. Algo que pudesse simbolizar o maior de nossos tesouros, a nossa Fraternidade. Assim escrevi a Cerimônia Alusiva a Damon & Pythias.
.
http://wiki.demolay.org.br/index.php?title=Cerim%C3%B4nia_Alusiva_a_Damon_e_Pythias
.
Um grande e fraterno abraço…..
Anúncios

Comentários»

No comments yet — be the first.

Deixe um comentário

Preencha os seus dados abaixo ou clique em um ícone para log in:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair / Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair / Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair / Alterar )

Foto do Google+

Você está comentando utilizando sua conta Google+. Sair / Alterar )

Conectando a %s

%d blogueiros gostam disto: